"É melhor ser alegre do que triste, alegria é a melhor coisa que existe!"

quinta-feira, novembro 30, 2006

mico publicável...

Fiquei alguns dias pensando num mico publicável. Pois a convite do Léo, entrei nesta corrente também.
Lá vai o mico, ou melhor, os vários micos....

Passei no vestibular em 2000 e entrei no segundo semestre. Logo, no primeiro dia de aula os veteranos já chamaram a mim e aos outros colegas de “bixo burro”, já que eles tinham ido melhor no vestibular, tinham ingressado na universidade no primeiro semestre... fazer o que...
Pra mim não fez diferença passar em primeiro ou em último, passei e pronto.

Bom, chegamos na aula e já fomos colocados em fila, sem sapatos, tênis, ou seja lá o que tínhamos nos pés e fomos levados para um passeio pela FABICO (Faculdade de biblioteconomia e Comunicação UFRGS).
Lembrando, é claro, que fomos puxados por uma cordinha, colocada por dentro da alça da calcinha ou cueca de cada um....
Não contente só com o passeio pela FABICO, os veteranos nos levaram pra passear pelo compus saúde. Depois entramos no Mac Donalds da Silva Só e fomos obrigados a cantar aquela musiquinha infame do Mac Donalds.
Isso tudo em fila, sendo puxado pela cordinha, que estava presa na calcinha/cueca .
Não preciso nem dizer que as pessoas riam muito daquela situação...

Até aí beleza. Mas no outro dia ainda tinha trotre.
Estava frio, muito frio e os veteranos fizeram alguns colegas se deitarem numa possa d’água que tinha no pátio da FABICO....
Só que não podia me molhar naquele dia.... as mulheres vão me entender... e por isso, tive que explicar aos veteranos que não podia... não contentes que eu não poderia me jogar na possa d’água, falaram pra todo mundo que eu não podia me molhar e me deram um banho de vinagre e ovo.
Depois deste banho, caminhei até a avenida João Pessoa, completamente suja e fedendo para ir de ônibus até a zona sul.
Imagine a cara das pessoas no ônibus pra mim!
Fiquei mais de 30 minutos até chegar em casa no ônibus e ainda tive que passar nesta “situação” pelos vizinhos e achar graça das piadas que cada um fez.

Depois disso, ainda teve mais 3 dias de trote, em horário diferente dos que fui pra FABICO. Não tive que passar o halls ou caldo de carne de boca em boca...


Bom, tenho que passar a diante, passo pro Ederson e pra Luisa...
sintam-se a vontade para escrever ou não!

8 comentários:

Leonardo disse...

Ei Grazi,

Que phoooda, hein? Acho esses trotes muito agressivos. O que era para ser uma brincadeira amistosa acaba virando humilhação pública. Nunca passei trote em calouros e nunca deixei que me passassem um.

Vou listar seu mico. Um beijo!

cida disse...

Acho essas "brincadeiras" abomináveis. Não deveriam ser permitidas. O pior é que a maioria dos que passou por essa situação acha super natural fazer com os outros, e assim a coisa não termina nunca, o que é péssimo.
Beijos

marcia disse...

meu trote na Odonto foi muito pior. com direito a sutiã por fora da roupa, cachaça e halls preto passando de boca em boca e uma gosma gelada no cabelo que descia pela nuca. quase me apaixonei pelo trote. :P

ederson disse...

Eu devo ter sido a única pessoa da turma que passou por todos os dias de trote, porque conseguiram me pegar no dia da aula de design, quando todos os outros conseguiram fugir. Mas como eram decentes, nem fizeram nada, só me pintaram o rosto.

ah, eu passei na poça de água!

Sean Hagen disse...

*


quando entrei na fabico não havia trote.
todos eram cools demais pra fazer esse tipo de coisa.
como assume o diretório no primerio semestre, fui OBRIGADO a criar o trote.
nessa de 'humilhação' conhecei a turma com que falo até hoje.
mas peguei leve, e só participou quem quis - todos.


*

Graziana disse...

Léo - foi bem horrível... mas faz parte, todas universidades tem este tipo de trote. aqui onde eu trabalho, na escola de administração da UFRGS, organizo o trote solidário, sem humilhção para os calouros, isso acontece há uns 3 anos já, é super legal...

Cida - eu não apliquei trote nos meus bixos, acho tão sem nexo, enfim, não participei...

Marcia - odonto? não sabia deste seu lado dentista não! bah, eu consegui fugir do halls...

Ederson - lembro que você passou por todos os trotes... lembro bem do dia da aula de design, eu estava vestida minhas roupas mais velhas, preparada pro trote...huahauuhahuauauah

Sean - foi você que criou o trote então, quem diria....:P
conheci os amigos da faculdade no trote também, mas confesso que nunca falei com o guri que mais me maltratou nos dias de trote, até hoje não consigo nem olhar pra cara do coitado, foi ódio a primeira vista!

Ana disse...

Os trotes na minha faculdade eram muuuuito chatos! Nenhuma agressividade ou humilhação, tudo politicamente correto, mas absolutamente sem graça. Roupas do avesso, muita tinta e umas babaquices tipo contar as tábuas do chão das salas antigas com todo mundo conferindo e mandando contar de novo! Mas é sempre um jeito bacana de cortar o gelo e de tudo mundo se conhecer!
Essa do halls é cruel e adorei o comentário da Pinta! Heheheheh!

Rosamaria disse...

Graziana, só agora pude vir aqui, que coisa...

Eu não fiz faculdade por diversos motivos, um dia eu conto. Meus filhos só vieram pra casa pintados e com roupa do avesso, mas um sobrinho quase morreu, pois deram cachaça goela abaixo até que ele entrou em coma alcólico. Acho isso uma barbaridade. Agora está proibido e fazem trotes solidários com arrecadação pra creches e asilos.
Mas imagino o que passaste, teu mico foi pior que o meu, hehehe.

Bjs.