"É melhor ser alegre do que triste, alegria é a melhor coisa que existe!"

terça-feira, outubro 30, 2007

Não sei porque ainda participo de seleção de trainee.
Durante a faculdade participei de duas seleções para grandes empresas do estado, mas pra trabalhar no Brasil tem que ser fluente em inglês, acabei não conseguindo a vaga por isso, ok!
Bom, mas hoje, depois de muito tempo, fui participar de outra seleção de trainee...
Começou que tive que pegar dois ônibus mais do que lotados pela manhã, fui amassada, pisoteada e presenciei bate-boca entre cobradora e passageiro dentro do T5 lotado e, ainda por cima, consegui chegar atrasada no local da entrevista.
Iniciando a conversa, tive que ouvir que para trabalhar na tal empresa deveria andar alinhada, maquiada, com o cabelo sempre bem cortado (ainda bem que recém fiz um corte) e emperiquetada! Olho ao redor, dezenas de meninas que pareciam ter saído do salão de beleza, e eu nem tinha secado o cabelo, quem mandou se meter nesta...
Já sei as perguntas que são feitas e as respostas que as recrutadoras querem ouvir.
Não sei porque ainda participo deste tipo de coisa!
Talvez eu vá pra me divertir um pouco com as histórias dos outros.
Há sempre aqueles que são líderes natos desde o jardim da infancia, outros que conhecem a empresa que está selecionando desde a barriga da mãe. Sim, também há aquelas que viveram a vida viajando, primeiro New York, depois Londres seguido por Nova Zelândia, pra fugir do frio, claro!
Há outras que foram escolhidas oradoras, que é um grande diferencial! Há também aqueles que adoram desafios, querem dar a vida pela empresa. Quem vai querer fazer isso e abdicar da vida pessoal, fico me perguntando... Trabalhar de domingo a domingo e não ter tempo nem de ir ao cinema, não pode estar bem da cabeça pra querer isso.
Sempre fico ali sentada pensando que não adianta ressaltar minhas competências, a vaga não tem nada a ver comigo, mesmo que eu fale sobre elas, não estaria dentro do perfil desejado, enfim, mesmo assim sigo respondendo aquilo que acho que devo, sem dar as respostas que as recrutadoras querem ouvir, continuo não passando nestas seleções e me perguntando, porque raios ainda insisto em participar disso?
Eu lembro que tinha dito que não ia mais participar destas coisas... mas não adianta, já que estou procurando emprego, me meti nesta coisa de novo!
E, além de tudo, uma das mulheres que estava selecionando sorria no final de cada frase que dizia, não sei se pra nos assustar ou para parecer feliz, só sei que ainda tive que ficar segurando o riso...

7 comentários:

ederson disse...

hehehehhe... seleção em empresa é o fim da várzea. detesto todas aquelas pessoas.

Cátia disse...

esse negócio de seleção em grupo, dinâmica em grupo é pra emprego aos psicólogos organizacionais! parece que as competências e habilidades não não necessa´rias num primeiro momento.. infelizmente é um porre!!! tem que rir memso! na próxima não segure...

Lu Dutra disse...

já pensou? tu não conseguindo segurar o riso e se desmanchando de chorar ao mesmo tempo? ia ser engraçado tu explicando: Moça é que eu choro quando rio.... heheheheheheheheheeh!!!!

Cristiane Martins disse...

Oieee tudo bem?
Olha acho que aparência conta muito... mas não é tudo.
Acho que competência tem muito mais valor.
Bah tu me deu uma idéia pra um post... hehehe
Bjo grande

maristela disse...

Ziana. Faz um livro contando os bastidores. É hora de desmoralizar essa gente. A propósito: tem um filme genial que se chama O que você faria? que é sobre esses processos seletivos inventados pelo marquês de Sade. Pau neles.
bj

Arnaldo disse...

Acho o fim da picada que, entre as competências, se exija tão fortemente esta questão da apare~encia. Agora, tem uma coisa. Inglês já não é um diferencial. Inglês tem que saber. Não tem jeito. Na empresa em que eu trabalho, nem mesmo estagiários de nível médio a gente contrata se não souber inglês. Se não é fluente, corre logo atrás disso!

Pedro Ivo Martins disse...

Oi, Graziana. Voltei para te ler.

Também já passei por essa situação de achar seleção de trainee ridículo. Fica ainda pior quando a gente começa a estudar modelos de gestão, organizações, administração etc.

Aí, você vê como esses métodos são arcaicos, ultrapassados, baseados num positivismo que já comemorou mais de 200 anos de existência. Uma coisa pode ser reconfortante: saber que as empresas que contratam assim não vão durar muito.

Só informando, sem pedir permissão: vou linkar seu blog no meu. Abraço.